8 tendências para restaurantes em 2018 (e 2019!)

8 tendências para restaurantes em 2018 (e 2019!)

Conheça boas práticas nas áreas gerenciais, logísticas e de sustentabilidade que fazem sucesso ao redor do mundo

O ato de vender e servir comida pode ser mais antigo do que imaginamos, mas certamente ele se renova a cada ano.

Hoje o Blog da CMV traz o que há de mais moderno ao redor do mundo quando o assunto é gestão e seleciona 8 tendências para restaurantes em 2018 (e 2019!).

1. Livres de glúten e alergias!

A reflexão do gestor é fundamental. Se no começo você ficava sabendo que “determinado restaurante estava servindo um cardápio sem glúten”, chegou a hora de pensar que esse estabelecimento pode ser o seu.

Pesquisa realizada pela Nielsen apontou que mais de 60% dos norte-americanos estão (pelo menos) tentando fazer uma dieta saudável.

Desse total, quase 50% afirmaram que, conscientemente, optam por comer produtos com gorduras reduzidas, sem glúten, sal ou açúcar.

2. Casual com estilo

Encontrar um equilíbrio entre o requinte de um cardápio completo e a praticidade de uma refeição rápida.

O estilo que vem sendo chamado de “Fine-casual” ao redor do mundo, mescla a praticidade de um serviço rápido, com design leve e convidativo, com opções premium no menu.

É possível entrar e sentar sem muitas cerimônias e ter acesso, apesar do visual light, a um cardápio atrativo, com boas entradas, cartas de vinho, etc.

O grande modelo que vem sendo utilizado para esse estilo é a badalada rede norte-americana Shake Shack.

3. Só entregamos!

Esse modelo, que vem sendo chamado de “restaurante fantasma”, ganhou um up com o advento de aplicativos como o iFood ao redor do mundo.

A tecnologia e as estatísticas como a de que 80% dos restaurantes nos EUA já integram seus pedidos a alguma plataforma de entrega de comida, consolidam esse conceito.

São restaurantes de qualidade e conceito, porém que apenas entregam. O foco é 100% no delivery.

4. Da horta para os drinks!

O conceito de servir produtos frescos, orgânicos e, até mesmo, cultivados pelo próprio estabelecimento já trouxe excelentes resultados para o mercado.

Entre as tendências para restaurantes em 2018 esse ciclo foi ampliado. Agora é direto da horta para as coqueteleiras dos bartenders.

Com o crescimento da busca por drinques clássicos e diferenciados, chega a hora de focar na exigência dos clientes para que os ingredientes dos coquetéis sejam frescos.

5. Olhar para o meio ambiente

Chamamos de tendência, mas felizmente é um conceito que há anos não sai de moda. Entre 2018 e 2019, a consciência ambiental dos restaurantes prossegue a todo vapor.

Seja pelas delimitações legais ou por iniciativas próprias, que unem criatividade e apoio ao meio ambiente, em projetos sustentáveis, de economia e reaproveitamento de itens para outras atividades.

6. Combate ao desperdício

Os gestores de restaurantes ao redor do mundo estão parando e repensando o tema do desperdício de alimentos de acordo com a sua realidade.

Essa mudança acontece tanto na forma como esses pratos são preparados, a escolha e utilização do ingrediente, até recursos sobre o que fazer com as eventuais sobras.

Existem ideias inovadoras, como restaurantes nos Estados Unidos que estão oferecendo as entradas não consumidas durante a noite com 80% de descontos em apps como o da FoodForAll.

7. O que estou comendo?

Sentar, ler o cardápio, fazer o pedido e comer. Essa ordem ainda é muito tradicional, mas tem recebido mudanças cada vez mais intensas nos últimos tempos.

Entre ler o cardápio e fazer o pedido, as pessoas estão interessadas em saber o que compõe esses pratos.

Que tipo de comida está sendo servida?

Sendo assim, algumas redes de restaurantes vêm aderindo à chamada transparência no alimento. O estabelecimento certifica e divulga para o cliente a origem e as garantias de que o produto que ele está comendo, por exemplo, não teve agrotóxicos ou hormônios.

8. Gestão de “Livro Aberto”

Essa é uma das mais disruptivas tendências para restaurantes em 2018 (e 2019). Ao invés de uma condução distante e blindada por parte dos donos, uma gestão de “livro aberto”.

Cada um dos funcionários do estabelecimento, independente da função exercida, têm acesso a informações e boas práticas sobre a condução do negócio.

É uma mistura de transparência e aprendizado. O cozinheiro, por exemplo, não vai chegar e cumprir ordens, mas vai entender como é todo o processo de montagem e gestão de uma cozinha.

Em linhas gerais, os empregados passam a entender que estão recebendo um investimento dos patrões e costumam reagir de forma muito positiva. É uma inclusão que traz bons resultados em eficiência.

Gostou das tendências?

Investir em melhorias na gestão do seu bar e restaurante faz parte do nosso DNA. Conheça a CMV e busque soluções sobre medida para seu negócio.

Leia também:

https://cmvsolutions.com.br/3-fatos-que-mostram-a-complexidade-da-funcao-de-compras-em-bares-e-restaurantes/